Publicado em 25 de Julho de 2017

MEC autoriza liberação de R$ 22 milhões para obras de estrutura em escolas atingidas pelas chuvas

São 40 obras validadas pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), sendo 35 reformas e 5 novas construções

Foi assinada na manhã desta segunda-feira (24) pelo ministro da Educação, Mendonça Filho, autorizou, a autorização para obras de reconstrução de escolas e creches dos municípios do estado de Pernambuco atingidos pelas enchentes deste ano. O evento aconteceu em Catende, na Mata Sul de Pernambuco.

São 40 obras validadas pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), autarquia ligada ao Ministério da Educação (MEC), sendo 35 reformas e 5 novas construções, beneficiando mais de 18 mil estudantes.

Durante o evento, o ministro liberou R$22,6 milhões. Deste montante, R$ 10,2 milhões serão destinados para as prefeituras e R$ 12,4 milhões para a Secretaria de Educação do Governo de Pernambuco. Serão beneficiados com obras em escolas e creches os municípios de: Barreiros, Caruaru, Catende, Palmares, Primavera, Quipapá, Ribeirão, Rio Formoso, São José da Coroa Grande, Sirinhaém e Xexéu.

Em Pernambuco, 28 municípios tiveram situação de emergência decretada devido às fortes chuvas neste ano. “Desde o primeiro momento, enviamos equipes aos municípios atingidos para minimizar os impactos das enchentes para os estudantes. Esses recursos vão garantir a continuidade das atividades escolares nessas cidades”, declarou o ministro.

O ministro também realizou, nesta segunda-feira, 14, a entrega simbólica de livros para as escolas atingidas pelas chuvas nos municípios de Palmares e Ribeirão. Os dois municípios receberão 3,6 mil livros para atender 5 escolas, beneficiando alunos dos 1º ao 9º ano do ensino fundamental.

No dia 9 de junho deste ano, o ministro anunciou a disponibilização de um orçamento de R$ 30 milhões do FNDE destinados a recuperar a estrutura física de escolas e creches e para a aquisição de equipamentos, mobiliários e livros das escolas atingidas. ação de vulnerabilidade temporária e de calamidade pública.

Por G1 Caruaru

24/07/2017 11h32